Sepultar os Mortos e Cuidar dos Vivos.

Marques de Adorna
Marques de Adorna

O mundo que vivemos é totalmente diferente daquele em que viveram nossos antepassados, e mesmo os constituintes de 1988. Tão diferente que as ideias prevalentes dos constituintes estavam mais próximas daquelas da idade média do que das ideias contemporâneas da era digital. Então, reverenciemos o passado e sua constituição. Façamos como sugeriu o General Pedro D’Almeida, o Marquês de Alorna, ao rei de Portugal, Dom José, quando sua majestade, após o terremoto de 1755 que destruiu Lisboa, perguntou o que se havia de fazer. O Marquês, singelamente, respondeu ao rei: “sepultar os mortos, cuidar dos vivos e fechar os portos”.[1]

Enterrados os mortos e fechados os portos, para evitar às pestes, vamos cuidar dos vivos. O Brasil precisa cuidar de sua população de 200 milhões de habitantes revertendo o quadro de catatonia que paralisa o país. E precisa agir com cuidado para não jogar fora o bebê com a água do banho. Em meio a uma crise que se acerba, precisamos iniciar uma reavaliação de nossa história para preservar o que ainda é útil e descartar o muito de lixo que se acumulou em quinhentos anos de patrimonialismo e burocracia. Precisamos jogar luz sobre o que nos mantém amarrados ao arcaico, ter coragem para dar nome aos bois e nos livrarmos do peso morto que estamos arrastando desse os tempos coloniais e voltar os olhos para o futuro que bate à nossa porta. Paulo Coelho diz que “a vida é sempre uma questão de esperar o tempo certo para agir”

E se perdermos o “timing” das mudanças seremos punidos pelos deuses que regem o mundo real. Seremos empurrados para o final da fila e vamos mergulhar em um novo calvário.

Felizmente, existe uma saída digital. As novas tecnologias digitais permitem pensar fora do quadrado e reorganizar disruptivamente a operação do Estado brasileiro. Permitem criar uma cidadania digital e, assim, trazer o Brasil para o Terceiro Milênio. Ou, conforme a opinião de um blogueiro: “Este país, só Reiniciando…”

Para transformar o Brasil em um País Digital será preciso mais do que boas tecnologias e boas práticas. Será preciso doses ilimitadas de paixão e sonho. Será necessário coragem para dizer a verdade e para enfrentar resistências. Precisaremos ilimitada fé em nós mesmos e acreditar que podemos. Retórica à parte, uma grande caminhada começa com o primeiro passo, que só daremos se tivermos certeza de que vai valer a pena. De que a transformação é, de fato, possível. Será preciso bom senso e entusiasmo sincero dos corações e mentes das novas gerações. Este é o tempo delas. E tudo deve começar com um intenso processo de discussão sobre que Brasil queremos.

Ceska – O digitaleiro


[1] General Pedro D’Almeida, o Marquês de Alorna. http://pensamentoslucena.blogs.sapo.pt/tag/terremotos – Outubro de 2015

Comments

comments

Deixe uma resposta